Xat

Seguidores

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

A Guirlanda


"A guirlanda remonta aos costumes pagãos de adornar
edifícios e lugares de adoração para a festividade que se celebrava ao mesmo
tempo do atual Natal.Na verdade, as
guirlandas são memorial de consagração. Em grego é stephano, em latim corona.
Podem ser entendidas como enfeites, oferendas, ofertas para funerais, celebração
memorial aos deuses, à vitalidade do mundo vegetal, celebração nos esportes,
celebração das vítimas que eram sacrificadas aos deuses pagãos, etc.. Para tudo
isso serviam as guirlandas. Essas coroas verdes que são colocadas nas portas das
casa, porque simbolizam as boas vindas, lugar de entrada.Não há uma só
conotação em relação ao nascimento de Jesus.A Bíblia nunca anunciou que
Jesus pede guirlandas, ou que tenha recebido guirlandas no seu nascimento,
porque em Israel já era sabido que fazia parte de um ritual pagão. Só existe uma
guirlanda na Bíblia e esta foi feita por Roma, para colocar na cabeça de Jesus
no dia da sua morte. Não há outra guirlanda, a não ser esta de espinhos, feita
como símbolo de escárnio.O presépio é um altar a Baal, consagrado desde
a antigüidade babilônica.É um estímulo à idolatria. São Francisco, no séc.
XVIII, enquanto um dos líderes da Igreja Católica, instituiu o presépio para
lembrar as festividades natalinas, na verdade uma convocação que leva o povo a
ficar com a fé limitada ao material, ao que é palpável. Está relacionado
diretamente com os rituais solstícios. Os adereços encontrados no chamado
presépio são simbologias utilizadas na festa do deus sol.Se você tiver a
curiosidade de ler a história cristã, verá firmemente que a influência romana é
presente em quase todo o comportamento cerimonial da igreja chamada
“evangélica”. As figuras utilizadas são intencionais. Por esses e outros
motivos, temos que tomar posições. O presépio é um incentivo à idolatria, é uma
visão pagã, obras da carne (Gálatas
5:19-22).Nas colônias inglesas,
nos Estados Unidos, quando os chamados puritanos ingleses chegaram na América do
Norte, fizeram tremenda resistência às festividades natalinas e levantaram sua
voz em protesto com relação aos objetos utilizados no Natal. Isto porque
estudaram as origens e estavam com a fé firmada só em Jesus. Os ingleses paravam
nesta data em profunda reflexão intercedendo pela América do Norte e pelas
nações da Terra, clamando por misericórdia porque o paganismo tinha sido
inserido no meio do Cristianismo, e neste dia faziam orações e jejuns, por
entenderem que os presépios eram altares consagrados, um incentivo subjetivo à
idolatria. Quando os imigrantes holandeses chegaram à América do Norte,
por terem tendências de viverem por símbolos e conservarem com muita veemência o
"espírito natalino", trabalharam até resgatar as idolatrias do Natal. Hoje a
América do Norte é uma das nações mais inclinadas às tão famosas festas
natalinas. Houve um resgate dos presépios não só dentro da sociedade secular,
como também da eclesiásticaHoje no Brasil, a abertura do Natal é feita
com uma famosa "Missa do Galo" que envolve nada mais que plantonistas
relacionados ao resgate da identidade pagã, aonde geralmente o Papa ou algum
alto sacerdote dá perdão as maldições hereditárias dos fiéis. A missa é
celebrada diante de um presépio, cujas figuras estão relacionadas com Babilônia
e não com a realidade do Evangelho. Um culto camuflado aos deuses
pagãos.É a sutileza do diabo querendo prender e tornar a fé cristã
inoperante.

Um comentário:

  1. Amém ,é muito importante repassar estes conhecimentos pois muitos cristãos (inclusive eu ) não tinha o conhecimento de tal...
    Deus abênçõe !!!

    ResponderExcluir